Logo Novo Jornalismo

Empreendedorismo digital: O perfil do novo jornalista

 

Olá! Seja bem-vindo ao projeto Novo Jornalismo!

 

Um dos meus maiores objetivos de vida, mesmo antes de decidir qual profissão seguir, sempre foi que um dia eu iria trabalhar com algo que me desse tanto prazer quanto um hobbie. E a internet me proporcionou isso.

Por este motivo, resolvi elaborar este post. Nos últimos meses tenho palestrado bastante em universidades e conversado com estudantes e profissionais que têm dúvidas muito semelhantes, como estas:

 

  • Ainda vale a pena trabalhar com jornalismo?
  • Como me destacar no mercado de trabalho?
  • Um jornalista pode ser um bom profissional em mídias digitais?


 
Empreendedorismo digital: O perfil do novo jornalista

Neste artigo irei responder essas dúvidas e compartilhar com você importantes questões que envolvem o perfil do novo jornalista. Pretendo explorar estratégias de empreendedorismo e listar as possibilidades de áreas de atuação em que jornalistas podem se inserir para estarem bem posicionados no mercado de trabalho e para poderem evoluir seus projetos pessoais.

Como o advento da internet fez surgir uma geração de profissionais independentes

 

Há alguns anos, programas de gravação de áudio que simulavam uma estação digital proporcionaram que músicos não dependessem mais de gravadoras. Aquele sonhado contrato com uma multinacional que produz grandes sucessos não era mais necessário. Agora era possível gravar um CD de qualidade profissional em casa, com apenas um notebook, uma mesa de som e instrumentos.

E com a popularização dos sites de mídias e redes sociais, a viralização desses conteúdos independentes foi extremamente facilitada. Era possível formar um público e divulgar seu trabalho sem pagar jabá às rádios! Uau!

Mas e o jornalista, onde entra nessa história?

Assim como o músico não depende mais de gravadoras e rádios, com as novas mídias e tecnologias, o jornalista não precisa mais ser contratado por um grande veículo de comunicação para se destacar no mercado. E também não depende mais de um contrato CLT para ter um bom salário, já que a internet oferece possibilidades de independência midiática e monetização de plataformas, utilizando estratégias de comunicação digital que tenham blogs como principal mídia, por exemplo.

É possível fazer jornalismo até no Twitter!

 

Um dos casos de maior repercussão de cobertura jornalística pelo Twitter foi durante a invasão da polícia do Rio de Janeiro ao Complexo do Alemão, em 2010, feita pela equipe do Jornal Voz da Comunidade. Foi um super case! A demonstração de que fazer jornalismo “de dentro pra fora”, e não “de fora pra dentro”, ou seja, da comunidade para o público, e não dos arredores ou de um estúdio de TV, fez muito jornalista experiente que não valorizava um bom trabalho de social media repensar conceitos ultrapassados.

 
Twitter Voz da Comunidade

O Twitter do Jornal Voz da Comunidade já conta com mais de 180 mil seguidores. Confira: https://twitter.com/vozdacomunidade

Twitter lança programa de certificação de jornalistas

 

A “brincadeira” está ficando tão séria, que o Twitter Brasil anunciou recentemente um programa de certificação para jornalistas e desenvolvedores, com o objetivo de iniciar uma aproximação com veículos de comunicação brasileiros. Confira a notícia no blog oficial do Twitter em português: https://blog.twitter.com/pt/2015/twitter-brasil-lan-a-programa-de-certifica-o-de-jornalistas-e-desenvolvedores!

Twitter lança programa de certificação de jornalistas

O mercado tradicional de jornalismo passa por um período conturbado

 

Os conhecimentos que antes da explosão de conteúdo na internet eram um plus no currículo de profissionais da área de jornalismo, já podem ser considerados indispensáveis: a atualização de técnicas e estratégias de comunicação digital e a ampliação das áreas de atuação, não somente para abrir o leque de possibilidades, mas até para garantir uma colocação no mercado, pois o mercado tradicional, de grandes redações e veículos impressos, está passando por uma perigosa recessão.

Além de demissões em massa e indefinição de bases salariais em alguns estados do Brasil, está se tornando recorrente a prática de violência física contra jornalistas que fazem cobertura nas ruas. Esses fatos, no mínimo, geram uma insegurança na classe profissional.

Um agravante é que, paralelamente à redução de vagas de trabalho, há muitos estudantes de comunicação social e jornalismo se formando a cada semestre, o que vai criando um abismo entre oferta e demanda de vagas, e que desencadeia, além do fator desemprego, na redução de médias salariais.

Por outro lado, há uma crescente busca por profissionais de jornalismo capacitados na área de comunicação digital, principalmente pelas agências digitais como foco em marketing de conteúdo, assessoria de comunicação digital e mídias e redes sociais.

 

Na era das novas mídias e tecnologias, para se destacar no mercado de comunicação, é preciso ser um profissional completo, dominar técnicas de marketing de conteúdo e mídias digitais, compreendendo estratégias de comunicação digital, desde o planejamento de um projeto à mensuração de resultados.

 

Além de ser muito legal trabalhar com internet, utilizando as novas mídias digitais, é imprescindível que estudantes e profissionais da área de comunicação se atualizem nesse universo, pois quem apresenta esse diferencial pode se inserir no mercado, ou se reposicionar, de uma maneira positiva e satisfatória.

Ou seja, dominar as técnicas do jornalismo tradicional não é mais suficiente para se destacar profissionalmente, é preciso ir além! 😉

Agências Digitais abrem oportunidades para jornalistas

 

Se, por um lado, as redações tradicionais de jornalismo estão passando por um período de recessão e demissões em massa, as agências digitais estão ganhando uma grande fatia do mercado de comunicação. De acordo com o último censo digital referente ao período 2013-2014 da Abradi (Associação Brasileira de Agentes Digitais), os números são crescentes:

 

  • Número de agências digitais no Brasil: em 2011 eram 2.787. Em 2013, eram 3.388.
  •  

  • Faturamento do setor: o faturamento das agências digitais aumentou de R$ 1,47 bilhão em 2011 para R$ 3,36 bilhões em 2014, o que representa um crescimento de 25% em 2013.
  •  

  • Número de funcionários: a quantidade de profissionais atuantes em agências digitais no Brasil aumentou de 25.497 em 2011 para 31.386 em 2013 (boa parte desse pessoal é proveniente da área de jornalismo).

 

Mais informações em: http://www.fizzy.com.br/censo-digital-revela-expansao-negocios-agencias-digitais

Algumas das áreas de atuação em agências digitais para as quais há grandes oportunidades para profissionais da área de comunicação são: produção de conteúdo, redes sociais e assessoria de comunicação digital.

 

Está gostando do artigo até agora? Para você ficar sabendo em primeira mão dos novos posts e das novidades do projeto Novo Jornalismo, clique no botão abaixo e assine a newsletter.

 

Perfil empreendedor

 

A internet oferece um mar de oportunidades para quem tem perfil empreendedor. Mas, para aproveitar essas oportunidades, é preciso muito estudo, dedicação, força de vontade e, acima de tudo, proatividade.

Mas muita gente dá aquela velha desculpa: “Eu não tenho tempo para adquirir novos conhecimentos e muito menos para aplicá-los, já trabalho o dia inteiro e faço faculdade à noite”.

Enquanto você pensa assim, seus concorrentes estão ouvindo audiobooks no trânsito, em vez de música, estão juntando dinheiro para congressos ou cursos, em vez de viagens, estão assistindo palestras, em vez de jogos de futebol, estão estudando livros técnicos, em vez de ir ao cinema, estão passando a noite em claro aplicando os conhecimentos adquiridos, em vez de curtir uma noitada… eu mesmo já fiz MUITO isso, e não me arrependo nem um pouco! 😀

E aí eu te pergunto: quem vai se colocar melhor no mercado? Quem fica dando desculpas de falta de tempo, ou quem corre atrás de seus objetivos?

 

Assim como as empresas precisam ter um alto nível de competitividade para conquistar novas fatias de mercado, o profissional da era da internet precisa ter competitividade para se destacar no seu nicho de atuação.

Monetização de blogs

 

Se você está lendo este artigo desde o começo, imagino que te chamou a atenção a passagem em que eu disse que o jornalista não depende mais de um contrato CLT para ter um bom salário, já que a internet oferece possibilidades de independência midiática e monetização de plataformas, certo?

Pois bem, se você tem um site de notícias ou um blog, é possível ganhar dinheiro com ele, de algumas maneiras – e se você não tem, existem técnicas para criar um veículo e torná-lo referência no segmento escolhido. Nas recomendações de leitura no fim deste artigo, disponibilizei links para algumas matérias bem legais publicadas aqui no projeto Novo Jornalismo, que podem te ajudar nesse sentido. 😉

As principais formas de monetização de blogs são:

Programas de afiliados

 

Existem inúmeros programas de afiliados na internet, muitos mesmo, por isso é preciso escolher bem qual, ou quais, utilizar. Esse tipo de serviço é baseado em campanhas publicitárias nas quais espaços são vendidos por CPC (custo por clique) ou CPM (custo por mil visualizações), basicamente, mas também há modalidades de pagamento por CPA (custo por ação), uma forma de comissão por venda, ou conversão, gerada a partir de links de afiliados veiculados em banners ou artigos.

Confira duas recomendações:

 

Hotmart

Se você tem algum produto digital, como um e-book, ou vídeo aulas, por exemplo, você pode utilizar o Hotmart como plataforma de venda e contar com a divulgação dos usuários que se afiliarem ao seu produto. Se você não tem um produto digital, pode se afiliar a algum que tenha a ver com seu público-alvo e ganhar comissão por vendas.

Acessível em: https://www.hotmart.com/

 

Uol Afiliados

O programa de afiliados do Uol tem diversas modalidades, e funciona, basicamente, como uma venda de espaço de seu site ou blog para anúncios (lembra do Google Adsense?).

Acessível em: http://afiliados.uol.com.br/

Espaço para publieditoriais

 

Muitos blogueiros têm trabalhado monetização com venda de espaço editorial, que caracteriza o formato publieditorial, como publicação de reviews de produtos de determinada marca, por exemplo. É importante ressaltar que esse tipo de conteúdo precisa ser claramente identificado ao leitor como publieditorial, por uma questão ética.

Patrocínio de empresas ligadas ao seu nicho

 

Outra forma de monetização de veículos digitais é o patrocínio de empresas do mesmo segmento, modelo em que o relacionamento se dá entre a empresa e o site ou blog, não dependendo de programas de afiliados.

 

A contextualização é fundamental!

 

Não adianta trabalhar como afiliado de produtos de futebol se seu blog é sobre automobilismo. A regra de ouro é utilizar uma comunicação contextualizada, com afiliações do mesmo nicho de seu veículo digital.

Observação importante: é fundamental abrir um CNPJ para emissão de notas e para sua contabilidade estar em dia. Muitos blogs despretensiosos acabam virando verdadeiros negócios digitais! 😉

Empreendedorismo digital: O perfil do novo jornalista

Conclusão

 

Com este artigo, ao traçar o perfil do novo jornalista, espero ter aberto horizontes e contribuído com algumas ideias para sua carreira! Se você ainda tinha dúvidas se vale a pena trabalhar com jornalismo no cenário atual de mercado, agora acredito que não tenha mais, certo? Vale a pena sim! 😉

O Jornalismo como profissão passa por um momento de reconstrução. E isso passa pela reinvenção do papel do profissional. Quem tem essa percepção e se reinventa tem chances bem maiores de se destacar no mercado de trabalho e conquistar bons rendimentos.

Mas reforço a necessidade de estudar MUITO, se atualizar sempre e aplicar as técnicas e estratégias mais modernas de comunicação digital aos seus projetos. Muita gente acha, por exemplo, que para fazer um trabalho profissional no Facebook basta postar bons textos e imagens bonitas em sua fanpage, ou na de clientes. Na realidade, está longe disso! É preciso dominar técnicas de planejamento estratégico, segmentação de público-alvo, métricas, conversões, entender o algoritmo Edge Rank… ou seja, é preciso dominar tecnicamente tudo que envolve um trabalho de Facebook Marketing.

Complementações da leitura

Para saber mais, recomendo a leitura destes posts:

Métricas

Google Analytics e Webmaster Tools como ferramentas de trabalho para jornalistas digitais:
http://novojornalismo.com.br/google-analytics-webmaster-tools-ferramentas-trabalho-jornalistas-digitais/

Assessoria de imprensa e comunicação

Assessoria de imprensa e Facebook Ads: estratégias integradas:
http://novojornalismo.com.br/assessoria-imprensa-facebook-ads-estrategias-integradas/
 
A importância da blogosfera na relação assessoria de comunicação/ veículos de comunicação:
http://novojornalismo.com.br/importancia-blogosfera-relacao-assessoria-comunicacao-veiculos/

Marketing de conteúdo

Como aumentar sua audiência e ter mais visitantes qualificados em seu blog [em 4 passos]:
http://novojornalismo.com.br/como-aumentar-sua-audiencia-e-ter-mais-visitantes-qualificados-em-seu-blog-em-4-passos/
 
Como escrever textos ideais para blogs:
http://novojornalismo.com.br/como-escrever-textos-ideais-para-blogs/
 

Se você gostou do artigo, utilize os botões abaixo e compartilhe com seus amigos nas redes sociais! 😉

Um abraço e até a próxima! 🙂

 

Comentários do Facebook

Deixe o seu comentário

março 24th, 2015

Posted In: jornalismo digital

3Comentários


close
Facebook IconTwitter IconVisite o perfil do google+Visite o perfil do google+
%d blogueiros gostam disto: