Logo Novo Jornalismo

O que é Zimburayama? [Teste de indexação]

 

Zimburayama é um teste que o Projeto Novo Jornalismo está fazendo com o objetivo de identificar como conteúdos em diferentes plataformas estão sendo lidos e indexados pela busca natural (não paga) do Google.

A motivação do experimento veio do fato de que sites de redes sociais têm lançado plataformas de conteúdo semelhantes a blogs, como um incremento estratégico de comunicação nessas mídias e, obviamente, numa tentativa de disponibilizar recursos atrativos para um melhor posicionamento de negócio frente à concorrência.

 

Para começar o teste, selecionei novas plataformas de dois sites de redes sociais:

 

 

Vou publicar este mesmo artigo no blog do Projeto Novo Jornalismo (em plataforma WordPress), no Facebook Notes e no LinkedIn Pulse.

Irei comparar o processo de indexação no Google e medir os resultados. À medida que os dados forem sendo validados, irei atualizar este post no tópico Resultados, mais abaixo do texto.

O que é Zimburayama? [Teste de indexação]

Para poder testar a indexação sem interferência de outros conteúdos, precisei inventar uma palavra-chave que não existisse na busca do Google. Pensei em várias e cheguei à decisão de escolher Zimburayama. Tinha que ser uma palavra que não fosse tão estranha, mas que não existisse. E essa até que é legal. Bem que poderia existir. 😛

O Facebook, por exemplo, com frequência tem lançado ferramentas que tentam fazer do canal uma mídia cada vez mais completa e independente, como o Instant Articles, o Signal e o Mentions. Saiba mais no artigo Facebook lança Signal, plataforma de curadoria de conteúdo para jornalistas. E isso gera reflexões acerca de como esses lançamentos irão afetar nosso planejamento estratégico de produção de conteúdo.

 

Estratégia de Conteúdo

 

Vejo dois problemas principais a serem analisados, antes de pensarmos em atualizar a estratégia de conteúdo de nossos projetos ou de clientes que atendemos.

 

Encontrabilidade

 

O conteúdo publicado nativamente em plataformas de sites de redes sociais vai indexar e ranquear no Google para palavras-chave com potencial de conversão? Ou seja, esse conteúdo vai ser encontrado nos mecanismos de busca externos às plataformas quando nosso público-alvo procurar por ele?

Essa questão é muito importante, pois conteúdo otimizado publicado em plataformas como WordPress, e outros editores de texto, reconhecidamente têm um alto potencial de indexação no Google. Saiba mais sobre o tema no artigo Como escrever textos ideais para blogs.

Digo isso porque a busca natural (não paga) do Google corresponde a uma fatia considerável, em muitos casos a mais de 50%, das visitas a sites de projetos nos quais atuo. Ou seja, o Google é uma origem de tráfego fundamental para o sucesso de um projeto.

 

Arquivamento

 

Além da questão de encontrabilidade, o arquivamento do conteúdo é outro ponto importante sobre o qual refletir. Os sites de redes sociais têm um importante papel estratégico de segmentação de público-alvo, bem como de ações específicas para consumo de conteúdo e relacionamento com o público-alvo.

Porém, até que ponto é válido utilizarmos um canal específico como plataforma exclusiva de conteúdo? No caso do Facebook Notes e do LinkedIn Pulse, como os utilizar, já que sua proposta, teoricamente, seria substituir a necessidade de um blog?

Até porque, em nosso blog, ou de nossos clientes, temos controle praticamente total sobre o arquivamento de conteúdo, em uma hospedagem de confiança, ou em algum banco de dados de preferência, inclusive na nuvem. Já no Facebook e no LinkedIn ficamos dependentes de suas plataformas.

 

Resultados

 

Assim que forem surgindo novos dados, irei atualizar aqui as vantagens e desvantagens observadas em cada plataforma.

 

Atualização 1: links das publicações além desta.

Obs.: todos os posts foram publicados simultaneamente na sexta-feira, dia 22/04/2016.

 

Atualização 2: indexação do post no blog em WordPress.

Antes das publicações, pesquisei no Google para me certificar de que a palavra-chave realmente não existia.

O que é Zimburayama - Teste de indexação: busca 1

Menos de uma hora depois das publicações, o post no blog em WordPress já estava indexado na busca do Google. Obs.: as buscas foram feitas em navegação anônima, para evitar personalização de resultados.

O que é Zimburayama - Teste de indexação: busca 2

Facebook Mentions e LinkedIn Pulse ainda não indexaram na busca do Google.

 

Atualização 3: continuidade da verificação de indexação do post no blog em WordPress.

No mesmo dia da publicação do artigo, o post no blog em WordPress já estava indexado na busca do Bing, além do Google.

O que é Zimburayama - Teste de indexação: busca Bing

Facebook Mentions e LinkedIn Pulse ainda não indexaram na busca do Google e, provavelmente, não irão indexar. E, até o momento, os posts nativos de cada mídia não estão acessíveis nem via busca das próprias redes sociais.

 

Atualização 4: indexação do post no LinkedIn Pulse.

Após quase um mês da publicação do artigo, o post no LinkedIn Pulse indexou abaixo do post no blog em WordPress. Antes disso, imagens do post indexaram na busca do Google Imagens.

O que é Zimburayama - Teste de indexação: busca LinkedIn Pulse

Facebook Mentions ainda não indexou na busca do Google e, provavelmente, não irá indexar.

 

Conclusão

 

No artigo Como aumentar sua audiência e ter mais visitantes qualificados em seu blog, mostrei como uso diferentes técnicas e canais para divulgar o conteúdo que produzo, bem como de meus clientes. O ideal é termos mídias próprias adequadas a cada tipo de objetivo e utilizar sites de redes sociais como parte integrante do processo de divulgação, apoiado por suas características diferenciais.

Dependendo da verba de projetos específicos, quando não é viável criar um site ou um blog, é bom saber que há alternativas, como as mídias testadas neste experimento, mas é preciso lembrar que elas não vão gerar visitas pela busca não paga do Google e você, ou seu cliente, não terão domínio sobre o arquivamento do conteúdo.

 

Em todo caso, meu pensamento inicial é sempre privilegiar a comunicação integrada, multiplataforma. Ou seja, utilizar diferentes mídias e canais de forma complementar a ações que envolvem uma determinada marca, produto ou figura pública.

 

Você tem publicado conteúdo específico para as novas plataformas Facebook Notes e LinkedIn Pulse? Adoraria saber sua opinião sobre essas experiências.

Se você gostou do artigo, utilize os botões abaixo e compartilhe com seus amigos nas redes sociais!

E caso tenha alguma dúvida, não deixe de entrar em contato. Um abraço e até a próxima! 😀

 

Comentários do Facebook

Deixe o seu comentário

abril 22nd, 2016

Posted In: marketing de conteúdo

2Comentários


close
Facebook IconTwitter IconVisite o perfil do google+Visite o perfil do google+
%d blogueiros gostam disto: