Velocidades potenciais, janela de lançamento e muito mais

David Imel / Autoridade Android

Poderá ficar surpreendido ao saber que a indústria das telecomunicações já começou a trabalhar no 6G – a rede móvel da próxima geração. Na verdade, embora o 5G ainda não tenha chegado a todos nós, estamos começando a aprender sobre o próximo grande salto que poderá desbloquear novos casos de uso de smartphones. Em última análise, demorará alguns anos até que o 6G se torne um padrão global, mas empresas como Apple, Samsung e AT&T já investiram recursos significativos em pesquisa e desenvolvimento.

Portanto, neste artigo, vamos dar uma olhada mais de perto nas redes móveis 6G, como elas diferem em relação ao 5G e quais melhorias elas podem trazer.

O que é 6G?

Rádio de torre de rede 5G montado em andaimes

6G representa a sexta geração de redes móveis e é o eventual sucessor do padrão 5G da geração atual, que só chegou à maioria de nós. Tal como acontece com as gerações anteriores de redes móveis, espera-se que o 6G proporcione velocidades mais rápidas e latências mais baixas. Os testes iniciais de 6G produziram velocidades de download superiores a 200 gigabits por segundo, embora sob condições controladas de laboratório. Mesmo que os smartphones individuais não atinjam essas velocidades, isso ajudará a aliviar o congestionamento em áreas lotadas, como estádios esportivos e shows.

Não esperamos que o 6G seja lançado comercialmente até o final da década de 2020 ou mesmo o início da década de 2030. No entanto, dezenas de empresas adjacentes de telecomunicações e comunicações já demonstraram interesse em desenvolver e moldar o 6G.

O trabalho no 6G já está bem encaminhado, mesmo que só seja lançado por mais alguns anos.

O desenvolvimento de novos padrões de telecomunicações também se tornou uma questão de interesse e orgulho nacional. Em fevereiro de 2024, a China Mobile anunciado tinha “lançado o primeiro satélite do mundo para testar a arquitetura 6G”. Com os equipamentos Huawei e ZTE proibidos em muitos países ocidentais, empresas como Ericsson, Nokia, Samsung e LG estão todas a trabalhar para capturar uma fatia do eventual mercado 6G.

Como funciona o 6G e como ele difere do 5G?

Espectro e tecnologias 5G, mmWave, sub-6GHz e LTE

As bandas de frequência mais baixas que têm sido utilizadas desde as eras 2G e 3G tornaram-se cada vez mais lotadas, motivando um impulso em toda a indústria para frequências mais altas. Assim como o 5G usou novas frequências de banda média e mmWave, as próximas redes 6G se apoiarão ainda mais nessa tendência.

Num mundo ideal, usaríamos frequências mais altas para transmitir todos os tipos de dados, com velocidades mais rápidas e menor latência. Mas se você já tentou usar a banda de 5 GHz do seu roteador Wi-Fi, por exemplo, saberá que frequências mais altas sofrem alcances mais curtos devido à sua incapacidade de penetrar obstáculos como paredes e até mesmo cobertura de árvores. Notavelmente, o 5G já usa frequências significativamente mais altas do que o roteador Wi-Fi médio, tanto que condições atmosféricas amenas podem afetar a qualidade do sinal.

6G propõe a mudança para bandas de frequência mais altas, como subterahertz (THz) ou faixa de centenas de GHz. Para referência, as bandas mmWave 5G ocupam a faixa de frequência de 24 a 40 GHz. E como observação lateral, apenas alguns smartphones premium suportam essas frequências 5G mais altas.

O 6G aproveitará o espectro Terahertz anteriormente não utilizado para velocidades mais rápidas.

Em setembro de 2023, LG anunciado que transferiu dados com sucesso em frequências terahertz acima de 500 metros. A empresa não chegou a declarar as velocidades que registrou, mas reconheceu que o teste ocorreu na faixa de 155 a 175 GHz. Quanto aos desafios de alcance, a empresa coreana de eletrônicos trabalhou com o Instituto Fraunhofer Heinrich Hertz (HHI) em Berlim para desenvolver “um amplificador de potência capaz de aumentar a força de transmissão e um amplificador receptor de baixo ruído que melhora a qualidade do sinal de entrada”.

Embora centenas de gigabytes por segundo em frequências terahertz possam parecer impressionantes, qualquer pessoa que acompanhe a atual implementação global do 5G saberá que as frequências de banda média também oferecem benefícios significativos.

Para esse fim, espera-se que o 6G utilize a faixa de 7 a 20 GHz, acima das atuais frequências 5G sub-6GHz. O espectro de 3 a 5 GHz melhorou quase sozinho as velocidades médias de download nos EUA desde 2021, portanto, mesmo frequências cada vez mais altas poderiam tornar o 6G uma virada de jogo em dispositivos do dia a dia, como smartphones.

Por que precisamos de 6G e quando será lançado?

teste de velocidade 5g mais rápido

Nas circunstâncias certas, as velocidades 5G do mundo real já podem aproximar-se e exceder o indescritível limite de 1 Gbps – especialmente quando conectado a uma rede mmWave. Isto levanta uma questão importante: por que precisamos ir mais rápido? A verdade é que ninguém sabe, mas as empresas de telecomunicações tentam estar um passo à frente dos novos avanços e tecnologias que podem tirar partido de velocidades mais rápidas e latências mais baixas.

Tomemos como exemplo a justificativa da empresa de pesquisa Nokia Bell Labs para 6G. Eles postulam:

Embora o smartphone continue a ser um dispositivo fundamental na era 6G, as novas interfaces homem-máquina tornarão mais conveniente o consumo e o controlo de informações. A digitação na tela sensível ao toque será gradualmente substituída por gestos e controle de voz. Os dispositivos serão incorporados às roupas e até mesmo se transformarão em manchas na pele. Os cuidados de saúde serão um benfeitor importante, uma vez que os wearables facilitam a monitorização 24 horas por dia, 7 dias por semana, dos parâmetros vitais.

É difícil imaginar que tais interfaces futurísticas existirão ou tirarão proveito do 6G na próxima década. No entanto, o desenvolvimento do 6G ajudará a preparar o caminho para isso e a reduzir o custo da comunicação de alta velocidade quando estivermos prontos para adotar tais dispositivos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima